Quem ensinou Larry King? E Chacrinha, O Velho Guerreiro? E Silvio Santos? E tantos outros comunicadores que fizeram e fazem parte da cultura popular? Comunicação é dom inato ao humano. A ciência da comunicação é campo de estudo recente. Estuda-se o inato e a técnica e como melhor desenvolvê-los e aplicá-los. No ambiente empresarial estas características nem sempre estão desenvolvidas. A habilidade deve estar concentrada em outros campos. Afinal não se pode esperar que uma empresa de alta tecnologia, por exemplo, esteja focada em comunicação de marca. Suas atividades precisam estar empenhadas no “core business”. Comunicação de marca é uma especialidade não central e queRead More →

  As decisões que tomamos são influenciadas, em grande parte, de modo inconsciente. Também os gestores agem intuitivamente. Os consumidores tomam decisões por razões ocultas. Mas como fazer esta leitura multidimensional? Em primeiro lugar dar-se conta que o fenômeno é real. Depois entregar o trabalho nas mãos de quem conhece este território. Quer um exemplo? o IIII o Você sabia que os faróis *redondos* do clássico Jeep foram criados por influência dos “olhos redondos” dos cavalos, animal admirado pelos consumidores da marca norte americana? Imagem Google © #branding #marca #cultura #identidade #identity #filosofia #essencia #designstudio_ #advertising #southamerica #content #primevo #talent #equity #valor #icon #lovemarks #jeepRead More →

Desenhar marca começa no “desenho” correto do seu propósito empresarial. Uma declaração consistente deve estabelecer, de algum modo, uma diferenciação de toda à concorrência. É daí que se reconhece o papel da percepção. Percepção é inteligência aplicada a um determinado contexto. Gerir pela percepção é o novo modelo que deve ser defendido. #branding #marca #cultura #identidade #identity #filosofia #essencia #designstudio_ #advertising #southamerica #content #primevo #talent #equity #valor #icon #lovemarks #percepcaoRead More →

A cultura da organização era quase que tangível. Ou até era em muitos aspectos. Parecia que suas virtudes brotavam “pelas paredes”. E como nada dura para sempre, aquele cenário motivador e sua filosofia foram abalados. Ideias “novas”, promessas “revolucionárias”, uma nova “gestão” incorporava-se. O que foi perdido? A essência. Os conceitos substituídos. Os paradigmas evolucionados. Marca é, por assim dizer, a transcendência dela mesma, ou seja: o nome, o símbolo e as cores são elementos físicos e tangíveis e que são correspondentes ao seu significado. É como se, de modo análogo, estes elementos “visíveis” fossem a ponta do iceberg. Todos os demais aspectos ocultos sãoRead More →

Identidades consolidadas podem (e devem) alterar seu design, quando mudanças completas são realizadas nas diretrizes de share. O serviço de armazenamento de dados mais conhecido no mundo quer maior interação entre os usuários, ampliando seu escopo para uma rede de trocas e fonte de pesquisa.Desta forma, o conhecido box com abas abertas evolui para um conjunto de losangos simétricos em uma nova paleta de cores. A troca da tipográfica também foi realizada, tornando o conjunto visual mais adaptável e maleável. Mudanças no escopo de uma organização devem ser bem adaptadas, também no design de identidade. Desta forma pode-se reposicionar (branding) o negócio mais rapidamente, comRead More →

Coco Chanel deixou legado vivo e espontâneo em sua marca. Imagino como serão os brainstormings nessa empresa. Ideias, rascunho, coragem, determinação, free mind, ação, tesão… É claro que deve haver reflexão extrema sobre tudo o que é produzido, seja na fábrica ou no marketing – evidente – uma marca assim não brinca. O que vale aqui, nesta reflexão são alguns pontos que gostaria de destacar: – Clareza de propósito. – Manutenção da identidade. – Sofisticação, simplicidade, originalidade. – Coragem, Coragem, Coragem. Muito distante de nossa realidade. Mas é importante olharmos para isso. https://www.linkedin.com/in/guto-bellini-branding/  Read More →

Toda marca é única, mas para ela ser forte e duradoura, é necessário que todos os envolvidos com ela falem a mesma língua. Desde o novo estagiário até o CEO, passando por fornecedores e terceirizados, precisam entender e conhecer de fato a marca, sua história, sua missão e valores. Não importa o tamanho da empresa, se você quer que a história e paixões do seu negócio sejam transmitidos corretamente, terá que ensinar, enfatizar e enfatizar às pessoas. E como isso é possível? Por meio de um brand book. Diferente de um manual de identidade, onde encontramos todas as especificações técnicas de uma marca e suaRead More →

Em sua terceira edição, agora alinhado ao novo website, sai da gráfica atualizado catálogo de produtos da Airway. A empresa, focada em proporcionar bem estar humano e animal, em ambientes de grande porte, possui atuação em toda a América Latina. Os materiais desenvolvidos pela agência foram feitos para conversar com públicos altamente dirigidos, em setores bem específicos, como o agronegócio e a indústria. Clareza de briefing e foco comercial: assim da gosto trabalhar. A liberdade criativa é imprescindível. Mas torna-se real quando exercida no ambiente adequado e com ferramentas corretas. Ótimos voos Airway! Ficha técnica Direção de criação: Guto Bellini Direção de artes: Anderson Fochesato TratamentoRead More →

Especialista em acessórios automotivos, a Track Acessórios de Caxias do Sul, apresenta os seus últimos lançamentos durante o evento que ocorre em São Paulo. Contratada para a execução do Catálogo Geral da marca, a agência gaúcha StudioDesign desenvolveu a peça promocional. Através do conceito “Liberdade é o seu caminho”, o catálogo conta com 84 páginas para apresentar a sua linha de acessórios.     Ficha técnica Direção de criação: Guto Bellini Aprovação cliente: Dalton Martins – Track Acessórios Direção de artes: Anderson Fochesato Tratamento de imagem e finalização: Anderson Fochesato Meios digitais: Pedro Bellini Fotografia: Ramon Munhoz Impressão Gráfica: Editora São Miguel  Read More →